"Não consigo respirar": a democracia asfixiada


Esse é o sentimento dos movimentos que estão sempre na luta contra a repressão, discriminação, racismo estrutural, experenciadas pela humanidade em nossa contemporaneidade. Não estamos mais conseguindo respirar em um mundo sem Democracia. Talvez esse o sentido mais marcante em meio à pandemia do Coronavírus. Precisamos respirar ares democráticos!


Importante reafirmar que a frase “não consigo respirar”, dita por George Floyd ao ser imobilizado por um policial branco, que fincou o joelho no seu pescoço, está se tornando um verdadeiro símbolo de luta e de resistência. A Frase está se tornando um grito pela liberdade, tornando-se a marca mundial de enfrentamento contra o preconceito estrutural, dentre tantas outras formas de discriminação que vivemos no mundo.


George Floyd foi mais uma vítima da violência perpetrada pelos ideais de supremacia branca, de racismo estrutural, historicamente presentes nos Estados Unidos da América do Norte. Ecos desse racismo, desse totalitarismo podem ser sentidos em nosso país, quando percebemos os ideais da Democracia sendo sufocados por um governo que preconiza à violência, a eugenia, o sectarismo e a ascensão de um ideal branco e com práticas fascistas.


Não consigo respirar pode ser transposta para o Brasil, quando estamos chamando atenção, há mais de três anos, que a Democracia brasileira corre um perigo iminente. Fato consumado, principalmente a partir das insistentes e mais claras posições do governo Bolsonaro sempre preconizando um processo de higienização/eugenia em nosso país, defendendo princípios neonazistas, por inúmeras vezes, quer seja nas redes sociais, em seus pronunciamentos, ou mesmo nas suas políticas de estado.


Assim, está cada vez mais nítida e evidente a identificação desse governo com os primados de um neofascismo, perceptíveis em tempos de pandemia. Inúmeros elementos constitutivos do atual governo nos remetem aos princípios norteadores neonazistas, ou seja, nada de novo no horizonte porque já vimos esse “filme” antes. Defesa da ditadura militar, da violência de estado, perseguição aos meios de comunicação, uso de princípios religiosos totalitários e moralistas para se consolidar no poder, dentre tantas outras evocações e práticas de um estado autoritário.


Todos esses princípios estão evocados nos conceitos e preconceitos produzidos, agora, como política de estado no governo Bolsonaro. O que nos chama a atenção é que tal movimento não está desconectado de outras experiências governamentais pelo mundo a fora como nos EUA, Hungria, Filipinas, Índia, sem contar alguns governos no Oriente Médio, todos assumindo as teses do neofascismo.


Teses que, como bem sabemos, estão sendo colocadas em prática(s), nada de novo, são velhas práticas conhecidas e reconhecidas pela história da humanidade com ataques frontais à Democracia. Enfim, “não consigo respirar” pode ser o cotidiano enfrentado por todos nós brasileiros, latino-americanos, europeus pobres, imigrantes, entre tantos outros povos violentados, nessa luta contra os governos neofascistas que renascem contra os princípios democráticos, que renascem contra a vida.


A democracia carece de ser defendida, preservada e assumida a cada dia para que consigamos continuar nossa vida terrena, pois o que está em jogo é nossa sobrevivência como ser humano. Daí a certeza de que precisamos respirar, em todos os cantos do mundo, um processo de manutenção do estado democrático de direito e o fim das teses fascistas e de eugenia que nos amedrontam.


Somente assim, com estado democrático de direito, vamos poder respirar com mais segurança e sem a presença dos joelhos de sistemas autoritários sobre nós. Aliás, o copo de leite, às tochas acesas ao redor do Supremo Tribunal Federal, entre outras manifestações, são demonstrações de como a ideia da raça branca está perpetrada nas mentes daqueles que defendem um governo neofascista como o vivido no Brasil.


A democracia está sendo sufocada pelo joelho no pescoço, está faltando ar. Assim, vamos ajudar a retirar as teses fascistas, os joelhos, que asfixiam todos nós. Democracia sim, autoritarismo fascista nunca mais. Mudemos nossas atitudes na defesa e manutenção da Democracia, pois senão, vamos continuar gritando e morrendo em decorrência de não conseguirmos mais respirar.

0 visualização

"A coisa mais indispensável a um homem é reconhecer o uso que deve fazer do seu próprio conhecimento."

Platão

Contador de 

Visitas:

Siga o Além dos Muros

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon